Quinta-feira, 25 de Março de 2004

Imparcialidade jornalística?

Resposta aberta e reposição da verdade do editorial do Público de hoje
Enviado por Gualter
Aprovado por gualter , Quarta, 24 de Março de 2004 (18:32:22)

O editorial do Público de hoje contém afirmações falsas e que prejudicam o movimento pela paz. São uma alusão à nossa encenação. Enviei uma resposta aberta ao José Manuel Fernandes, que escreveu o seguinte parágrafo, entre parentesis:

(Devo por isso também acrescentar que achei chocante que, na recente manifestação "pela paz" que decorreu em Lisboa tivessem surgido umas criaturas que traziam ao pescoço lenços palestinianos e à cinta imitações das bombas dos terroristas, numa aparente homenagem a tais mártires. Assim como achei chocante que ninguém na organização os tivesse posto à margem, o que mostra que a "paz" por que se manifestavam até convivirá bem com o terrorismo suicida.)

Caro José Manuel Fernandes,

Foi com grande surpresa e indignação que me deparei hoje com o seu editorial no Público, onde surge uma alusão extremamente negativa a uma encenação que o GAIA preparou para a manifestação pela paz em Lisboa do passado dia 20. É lamentável que o Director do Jornal Público utilize uma imagem fora de contexto para fazer valer a sua opinião sobre as questões da guerra e, mais particularmente, sobre os movimentos sociais que defendem a paz e o fim da guerra.

O Sr. José Manuel Fernandes, ao invés de procurar informar-se sobre o que escreve e presenciar aquilo sobre o que fala, prefere pegar numa imagem e usá-la a seu bel prazer. Cabe-me informar-lhe, para que não permaneça a desinformação aos leitores, que essa imagem, contendo um Bin Laden e dois terroristas com cintos de bombas, é parte de uma encenação onde do outro lado se encontra o Presidente Bush com dois soldados americanos. À volta de Bin Laden e de Bush circulam executivos sem rosto de multinacionais do petróleo e do armamento. Ao meio, agitados por uma corda, civis apelam à paz.

Ora, se efectivamente se tratasse de uma homenagem, ela seria tanto ao Sr. Osama e ao seu esquadrão terrorista, como ao Sr. Bush e aos seu exército. Se com a afirmação que fez pretendia afundar o movimento com o anti-americanismo, então, desculpe-me que lhe diga, falhou redondamente. Falhou também como jornalista, ao demonstrar uma perigosa parcialidade na análise das questões da actualidade; e como Director de um jornal ao enganar os seus próprios leitores.

A encenação era uma homenagem. Uma homenagem à paz e aos civis que todos os dias se somam às vítimas da guerra e do terrorismo. No Iraque, na Palestina, em Israel, nos Estados Unidos ou em Espanha. O Sr. José Manuel Fernandes e, por inerência, o Jornal Público, acabou de acrescentar mais uma vítima à lista - a verdade.

Gualter Barbas Baptista
Activista do GAIA - Grupo de Acção e Intervenção Ambiental
Representado na manifestação de dia 20 pela figura de George W. Bush.
Contacto: 919090807

PS: Tendo a perfeita noção que este esclarecimento não será publicado, fica no entanto o esclarecimento pessoal, para que o mesmo erro não seja cometido em intervenções futuras.

PS2: Anexo uma descrição mais detalhada da encenação, retirada do Ecoportal do GAIA
(http://gaia.org.pt/ecoportal/)

Civis inocentes, a apelar à paz. Terroristas. Soldados americanos. Osama Bin Laden. George W. Bush. Shell e Exxon, pela indústria do petróleo. Lockheed-Martin e Boeing pela indústria do armamento. Foram estes os personagens da encenação do GAIA.

De um lado, George W. Bush incita as suas tropas a puxar a corda da guerra, onde bamboleiam civis inocentes. Do outro, Osama Bin Laden incita as suas tropas suicidas e terroristas a combater o império. Também eles agitam os civis inocentes. De ambos os lados, somam-se as casualidades da guerra.

Por detrás de toda este cenário, surgem as figuras sem rosto, responsáveis por uma maléfica orquestração do capitalismo mais selvagem. A indústria do petróleo e a indústria do armamento metem notas verdes quer nos bolsos de Bush, quer nos bolsos de Osama. Nas notas pode lêr-se a inscrição: "Petróleo = Sangue Inocente".

As corporações são as principais interessadas em perpetuar a guerra. O complexo militar-industrial precisa das guerras para apoiar o desenvolvimento da indústria do armamento. Os países ricos em petróleo são atacados para garantir o escoamento do ouro negro para os mercados mundiais sedentos de combustão.

Toda a orquestração é denunciada pelo GAIA. Enquanto os civis pedem a paz, circula um cartaz que declara "o fim da era do petróleo".

In: GAIA: Grupo de Acção e Intervenção Ambiental

Há certas coisas que são mesmo impressionantes. Nem sei como o Público se aguenta com um director destes...

publicado por kEnOBi às 11:29
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


-Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


-pesquisar

 

-Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

-posts recentes

- isto ainda aqui anda!

- FELIZ ANO NOVO PARA TODOS...

- 5 anos de kEnOBi´s Cave

- Mas o que é isto???

- A 1ª menstruação da Mafal...

- Apanhados Tvi - Meu Amigo...

- Kalashnikov - Warriors of...

- FééééééééRiaaaaassss!!!

- Casa Nova...

- Educação sexual

-links

-Eu Uso:

Get Firefox!
SAPO Blogs